Tribuna Tribal Wars, BR 115 - Edição IV, Mulheres que jogam

Status
Não esta aberto para novas mensagens.

DuchesS

Membro Notável
Pontuação de reações
557
TRIBUNA TRIBAL WARS, O SEU JORNAL DO TRIBAL WARS
MUNDO 115
Quarta edição (Mulheres que jogam)

1671378145539.png

A Tribuna Tribal Wars é um jornal voltado para a comunidade do Tribal Wars. Nesta edição temos como objetivo continuar a apresentação de Líderes e suas respectivas Tribos, poderão comparar a evolução do BR atual com a edição anterior, e muito mais inconformações, já que esse jornal é feito para vocês amantes desse Jogo Medieval.

Gostaria de informar a comunidade do FTW que agora o Tribuna Tribal Wars também está presente no YouTube, com entrevistas ao vivo e já disponíveis para assistir novamente, contamos com as interações da comunidade no chat ao vivo, facecam dos entrevistados, assuntos polêmicos e muito mais. Além das entrevistas, o Tribuna deu início ao projeto Tribal Wars Para Iniciantes, onde gravamos tutoriais sobre os princípios básicos do jogo para orientar os iniciantes no TW.





Hoje teremos uma edição diferenciada, teremos uma pauta exclusiva, com jogadoras inéditas aqui no FTW.

Primeiro, eu vou me apresentar para que me conheçam: eu sou a @DuchesS e comecei a jogar por influência do meu irmão e meu ex namorado no mundo 1, ficamos cerca de 1 ano nesse br. Depois fiquei anos sem jogar, e voltei no m33, já solteira e sozinha, pois meu irmão não se interessou mais no jogo, porém foi nesse BR que eu fiz amizades que levo até hoje (Iluminattii e Ba.Soti), esse último cheguei a conhecer pessoalmente.

Ajudei o Soti liderar a Frente Ampla no m33, e fui muito feliz lá, tenho saudades. Por motivos intra game, eu não consegui me manter ativa em outros brs, e voltei agora no 115, tendo que me atualizar de praticamente tudo, eu era aquela que mandava NT pelo Opera, acredito que muitos aqui também sejam dessa época.

Enfim, estou resumindo bastante a minha história para trazer a pauta dessa edição, MULHERES QUE JOGAM, sim, no mundo 1 eu não conheci NENHUMA mulher no jogo. No m33 tinham muito poucas, e agora no m115 eu estou chocada, quantas mulheres presentes e o melhor de tudo, várias em posições de liderança.

No m33, eu sofri bastante por ter sempre que provar a minha capacidade tanto como player mas como líder também, mas acredito que as amizades que fiz lá, sempre me ajudaram no universo do game a “cobrar” respeito por aqueles que não me conheciam. E por esse motivo sou muito grata aos amigos que fiz, pois sempre me respeitaram e exigiram que outros me respeitassem também.


E é isso que desejo a TODAS as mulheres que jogam, que os homens possam nos RESPEITAR e que aceitem que nós somos capazes e somos excelentes jogadoras, não precisamos ficar provando nada para ninguém.


Com isso fiz entrevistas com duas players maravilhosas, e deixarei algumas aqui. Caso gostem dessa edição, postarei as outras. Selecionei as mais diferentes e contrapostas, mas todas possuem histórias maravilhosas.

Entrevistada 1: Caroline Pinna. Nick: cpinna. Idade: 28. Cidade: Vitória-ES

Entrevistada 2: Débora. Nick: Déby. Idade: 34. Cidade: Toledo-PR

Comecem me falando como conheceram o jogo e como foi esse início?

CPINNA: Conheci o jogo porque um colega meu jogava. Lembro que a gente estava na escola (eu tinha uns 12 anos) e vi que ele estava usando o PC na hora do intervalo pra fazer algo diferente rs. E ele também me explicou que esse era um site q n era bloqueado (na época, mtos bloqueavam acessos de redes sociais e outros sites de jogos). Então juntei o útil ao agradável kk. No início eu não sabia muita coisa e jogava muito c meus amigos de sala de aula. Só que com o tempo eles foram parando e eu continuei. Depois de uns bons anos, voltei a jogar. Não lembrava qual era o meu nick antigo e acabei criando uma nova conta e permanecendo com ela.

DÉBY: Comecei a jogar tw com 19 anos, porque meu irmão estava jogando e como é estratégia, me interessou muito.


Quais mundos vocês já jogaram? Vocês já fizeram/fazem parte de alguma liderança?

CPINNA: Já joguei em mtos BRs e também mto em servidores PT. Jogar, já joguei em muitos, mas "levar a sério" foi no 58, que participava mais ativamente da liderança. Já participei também da liderança de outros BRs. Voltei a participar mais ativamente da liderança no 103 e no início do 106.

DÉBY: Joguei o br 32 meu primeiro, depois o 33 que onde conheci mitos igual o hmmhmm (o beto) e o Dumbledore o real líder da hogwarts, outros como o Lobão kkkkkk, perdi pra snob do Guilherme Duarte, e era inimiga do BRAS, etc... Depois fui para o 47 acho, e depois parei por causa da faculdade. Voltei no 80, onde era a show time. Joguei o 87, com a show time tbm. No 100 joguei com a show time tbm, e parei depois desse br. Voltei agora no 115 para ajudar meu amigo Yon.




Se sim, a dificuldade teve alguma coisa a ver com o fato de serem mulheres?

CPINNA: Algumas vezes tive sim dificuldades. E acredito fortemente por ser mulher, até porque em alguns casos eu fazia algumas solicitações aos players da tribo. E depois de um tempo, outro membro da liderança fazia e era prontamente atendido. É um pouco frustrante você passar por coisas off game e in game também, onde teoricamente vc deveria "desestressar".

DÉBY: não tive dificuldade de ser líder e mulher no 80, eu ajudava todo mundo que precisava de ficar em mdf, e 90% das pessoas confiavam em mim.



Na sua experiência como foi/é jogar no meio de tantos players do sexo masculino.

CPINNA: Já participei de tribos q os caras estão pouco ligando e não estão nem ai. Em resumo, são machistas do mais alto nível e idiotas ao extremo. Já vivenciei também de players virem de gracinha, flertando como se eu estivesse disponível para qualquer coisa. Por conta disso, uso meu nick apenas c a primeira letra do meu nome e meu sobrenome. E por conta do meu nick ser assim, já tive casos de q eu deveria "provar" q era eu mesma, só porque o "ser humano" do outro lado (pra não dizer ao contrário hehe) não acreditava q eu era mulher e jogava TW. Inclusive tem um caso também q eu estava jogando em uma tribo aleatório, havia entrado no BR apenas para "aquecer". E soube que a liderança estava fazendo algumas montagens (machistas, prefiro nem entrar em detalhes aqui) com minha foto de WhatsApp e "brincando" no grupo da liderança.

DÉBY: Jogar no meio de tantos meninos, é difícil se eles não sabem quem vc é no jogo, por onde vc já jogou ou quem vc já ajudou, depois que eles percebem que vc é capaz, vc é mais bem tratada que outros players.



Já aconteceu de você se sentir desconfortável com alguma abordagem?

CPINNA: Acho q respondi na pergunta anterior rs.

DÉBY: Tirando as vezes que eles tentam te perguntar coisas pessoais como " é solteira, qual sua idade, etc," está tudo bem.



O que você acha da participação feminina no jogo, de um modo geral?

CPINNA: Já vi muitas jogadoras excelentes no TW mas que infelizmente pararam de jogar por muita babaquice de outros players. Soube de uma jogadora (não vou citar o nome aqui, porque ela que me contou a história). De uma OP que ela sofreu e que os caras mudaram o nome da aldeia com frases bem machistas, porque sabiam que era ela mulher. Enfim, tem mais detalhes só que se eu falar mais, a situação só fica pior e ai é bem capaz de muitas mulheres desistirem de jogar TW devido a maioria dos "homens" serem totalmente idiotas e machistas. "Apenas" o reflexo do que já vivemos no dia a dia.



DÉBY: Acredito que cada dia mais as meninas possam começar a jogar, e vejo isso cada vez mais, pois antes encontrar uma mulher jogando era raridade, hoje em dia meninas gamer está mais comum.



Você acha que ser mulher muda alguma no quesito jogabilidade?

CPINNA: Em questão de jogabilidade, não. Mas em questão de com quem você se relaciona, sim.Eu prefiro jogar sempre com a mesma liderança por conta disso... Sei que não vão vir piadas de mau gosto ou qualquer outra situação. Infelizmente não dá para extender para os membros. Claro que existem exceções. Mas para evitar fadiga, apenas participo de poucos grupos de WhatsApp. Nesses casos, infelizmente, é melhor não ver q existe.



DÉBY: Tenho certeza que não, eu jogo melhor que muitos meninos ahahah.. Acho que as meninas são mais pacatas que os meninos, não consigo ver meninas sendo tão agressivas quanto os meninos, meninas defendendo fronts gigantes, e atacando na madrugada é bem raro.




Nós mulheres sofremos muito preconceito intra e extra game. Você acha que isso pode ser uma resposta para tantas mulheres acabarem desistindo do jogo?

CPINNA: Com certeza. O jogo é feito para desestressar. E você entrar em um lugar que é uma cópia da vida real, não é a melhor forma para relaxar. Infelizmente não é só no TW que acontece isso. Em outros jogos, como no Valorant, em que você pode conversar por voz, é ainda pior. Parei de jogar por isso: simplesmente você não pode usar um recurso do jogo para dar "call" nas jogadas porque vão existir homens que não sabem se comportar e se acham melhores.

DÉBY: Nós sofremos preconceitos demais, talvez se vc não tiver uma postura e personalidade forte, e provar pra todos que vc é capaz, certeza que vc pare de jogar, ou não te colocam na retaguarda do jogo. ( o mar azul onde não sofre ataque).




Sua família sabe sobre o jogo? O que eles dizem a respeito?

CPINNA: As pessoas da minha família sabem que eu gosto de jogos. Mas como é o famoso "eu que pago as minhas contas", não falam muito sobre.

DÉBY: Minha família sabia que eu jogava, e eles sempre diziam:" PARA COM ISSO", "LARGA ISSO", "vai fazer alguma coisa de útil" etc...



Eu como jogadora tenho muita dificuldade em separar a minha vida pessoal da rotina do TW, e acredito que eu não seja a única e com isso acabamos criando laços. Você enxerga isso de maneira positiva ou negativa? E por quê?

CPINNA: Eu já tive dificuldades em separar as coisas, mas hoje consigo levar a rotina do TW c a rotina off game "de boa". E também como eu estou o dia todo com o notebook, acaba que fica mais fácil conciliar também. Já que não é uma coisa apenas com um horário específico, como jogar outros jogos, você acaba por passar uns 5 minutinhos em alguns intervalos.

DÉBY: O tw faz parte da minha vida, eu casei com "um inimigo da minha tribo, do mundo 80, que eu perdi, e ganhei dele no 87" mais de 3 anos inimigos kkkkk e nos casamos depois de um clássico das "tribos inimigas que se juntaram pro clássico", e em 2019 depois de 4 meses, nos conhecendo pela internet, nos casamos kkkkkk, hj ele é SHOW TIME tbm e eu sou SPAM tbm kkkkkkkkkk



Você já conheceu alguém do jogo pessoalmente? Caso não tenha conhecido, tem alguém que você gostaria de encontrar?

CPINNA: Nunca. Existem várias pessoas que joguei no 103 que gostaria de conhecer pessoalmente.

DÉBY: conheci 4 pessoas do jogo pessoalmente, incluindo meu esposo. Gostaria de conhecer o topacomHalls,( que é quem me ensinou muita coisa no jogo) e o Yon,(que confia em mim e me coloca em furada kk ).




Eu faço muitas amizades aqui no jogo, e acredito que vocês também, vocês fizeram alguma amizade que conseguiram levar extra game?

CPINNA: Tenho algumas amizades extra game sim, poucas.

DÉBY: Amizade extra game? Pode ser um casamento que é mais que o amor da minha vida? ele tbm é meu melhor amigo. kkk




Vocês acham que a Innogames poderia realizar/fazer alguma coisa para incentivar o universo feminino no jogo? Tanto como manter as jogadoras e/ou incentivar que mais jogadoras venham?

CPINNA: Acredito que poderiam ter regras mais rígidas quanto ao banimento em relação ao comportamento inadequado de jogadores. Mas infelizmente nem tudo está na mão da INNO. O jogo é feito pelos jogadores e enquanto convivermos com homens que não tem um pouco de noção, nada vai mudar. Por isso que o ideal é que os próprios homens, quando perceberem uma conduta inadequada, repreenda o outro jogador, independentemente se é da liderança ou não. Porém, infelizmente o que acontece em 99% dos casos é o oposto: sabem que é uma conduta inadequada e ainda aplaudem as atitudes negativas.

DÉBY: Sim, deveria fazer por exemplo, algum bonus ou tempo de proteção maior no começo dos mundos, pois somos mais atacadas, e na maioria das vezes sofremos preconceitos por sermos mulheres e pensarem que somos fracas, e tbm por sermos mais defensivas do que ofensivas in game.



O que vocês gostariam de acrescentar/dizer/discursar. Nesse espaço vocês pode falar o que quiserem. É seu espaço de vocês.

CPINNA: Certamente essa conversa vai ser recebida por muitos como "mimimi" ou até mesmo "ain Carol está tentando lacrar". E isso só mostra como o machismo está enraizado. Infelizmente, quem sofre não é quem acha ou deixa de achar que é "mimimi" e como essas pessoas nunca sofreram isso, podem achar que é tudo conversa. Mas convido os jogadores a refletirem: como você se sentiria se sua filhA (imagine que você tenha) estivesse na mesma tribo que você? E exatamente nos mesmos grupos de WhatsApp que você (ou outras formas q a sua tribo use para se comunicar)? Será que as suas atitudes seriam diferentes? Então pq n ser diferente agora? Uma frase que eu sempre gosto de falar é... "Você tem uma filhA? Relaxa. Que "só" vão fazer com ela o que você fez com a filha dos outros". Isso te deixa preocupado ou relaxado?



DÉBY: O tribal wars é uma fábrica de fazer amigos, eu chorei, gritei, fiquei até 3 dias sem dormir, me provei e provei para os outros que sou tão boa, ou até melhor, quanto qualquer outro que joga tw em décadas atrás. Me casei com um dos melhores jogadores de tw que eu já conheci e a pessoa mais incrível do mundo. - Dark, e fiz amigos de front, como topacomhalls? Kayosã- o retorno, -super mario, Evangelista,Sir yondaime, eu aprendi com eles. Tive paixões no tw, pois minha juventude toda era jogando, e as minhas baladas, eram defendendo OP de mais de 10kk de ODD, nos fronts com as melhores companhias me apoiando. Kkkkkk Obrigada Tw por TANTO, e nesses mais de 15 anos, a palavra é GRATIDÃO.





Depois dessas entrevistas não preciso dizer mais nada, né? Somente agradecer por elas se disponibilizarem a responder, as duas me atenderam com muito carinho. Muita obrigada. Atualmente a CPINNA joga pela BETA e a DÉBY pela UPPER. Antes que digam, eu tentei contato com a Rainha Tribal e ela não quis, por ser mais reservada, o que está tudo bem também, também me tratou com bastante respeito e carinho. Meninos aprendam, viu? rsrsrs.. Se tiver alguma jogadora da +351 que queira ser entrevistada, me procure.



Obrigada por terem lido até aqui,

Beijinhos @DuchesS
 

Número Quatro

Moderador do fórum
Pontuação de reações
159
Primeiramente Parabéns @DuchesS, a entrevista ficou maravilhosa.
Fico orgulho em dizer que eu aprendi a jogar TW graças a uma mulher (Lucineia Antunes) que me ensinou lá no br 7.

<3
 

reizinho

Moderador do fórum
Pontuação de reações
1.327
Massa demais!! Parabéns pelas entrevistas incríveis e é muito bom ter um espaço só nosso por aqui hahaha sucesso @DuchesS
 

- Sir Yondaime

Membro Notável
Pontuação de reações
4.220
Parabens @DuchesS ficou interessante e visivelmente com perguntas mais elaboradas!

Sem muito o que dizer sobre a deby, de fato ela e uma das minas que conheci que joga melhor que muito jogador cheio de ego por ai, alem de ser uma otima pessoa... (embora me xingue vez ou outra, e me ache mimado...) Uma pessoa incrivel! E com boas historias no tw, onde me sinto feliz por ter estado la vendo essas historias acontecer de perto :)
 

Ba.SOTI

Novo Membro
Pontuação de reações
5
Oi.

Parabéns @DuchesS muito bem elaborado e de fato bem interessante a história de cada uma das meninas no TW.
Quase 12 anos se passaram desde o M33 e o bacana disso tudo foi a amizade construída e que dura até os dias de hj. Essa que ultrapassou a esfera do jogo!
Não me recordo de vim no FTW falar, mas não pudia deixar de tornar pública minha satisfação de ter vc como amiga.
 

Hinode Center

Membro Notável
Pontuação de reações
640
Já joguei com grandes mulheres.

Macabéa, gitana, tonhao33, entre outras, que eram rei dos back time e rainhas do front. Fora a inteligência.
 

Déby

Membro Notável
Pontuação de reações
551
Tive que logar no ftw depois de anos off, e agradecer o reconhecimento da importância que tem uma menina gamer, e foi uma satisfação gigante ser entrevistada por ti. :);)
 
Status
Não esta aberto para novas mensagens.
Topo